domingo, 20 de julho de 2008

Sejam Felizes!!!

Às vezes somos levados pela ideia de que tudo nos é permitido, de que podemos tudo, de que nos é dada a possibilidade de fazer tudo o que queremos. Somos ludibriados por um qualquer pensamento que nos faz achar que temos tudo sob o nosso controlo, que não temos constrangimentos de tempo, que temos todo o tempo do mundo para tudo. Vestimos a prepotência de que somos donos e senhores de tudo o que se passa na nossa vida e que fazemos o nosso destino.
Concordo que podemos ser responsáveis pelo nosso caminho e que podemos concretizar quase tudo o que desejarmos e nos propusermos fazer.
Mas, não confundamos optimismo, preserverança, determinação, força e vontade com omnipotência e imortalidade. Tenhamos a humildade de reconhecer que não somos donos do tempo e do acaso e de interiorizar que não temos a eternidade para o que nos apetecer.
Vivam, aproveitem os dias, disfrutem as boas companhias, concretizem projectos e realizem o que vos faz sentir plenos, não percam tempo com ninharias e mesquinhez.
Na nossa vida, nada depende só de nós, mas, tudo parte de nós.
Sejam felizes!


Sophia

6 comentários:

Rendeiro disse...

:)

Alfaiate disse...

Não existem "almoços grátis" nem sequer conhecemos tudo o que supostamente deveríamos conseguir ter sob o nosso controlo.

Existe o dar e o receber raramente em quantidades proporcionais na mesma interacção mas noutras subsequentes algum equilíbrio é restaurado. A vida encarrega-se disso.

Existe o lutar para ter o direito de escolher em cada momento fazer o que realmente nos apetece. Também existe o lutar para ter o direito de poder escolher deixar de lutar, sem que quem depende ou conta connosco sofra com isso.

Nenhum destes direitos nos é dado à nascença e a aquisição de qualquer deles exige um esforço monumental. Ambos apenas podem ser obtidos através de lágrimas e suor mas são regras coerentes da nossa vida como sociedade.

Existe o tentar ser feliz enquanto procuramos encontrar um sentido para a nossa existência, esta última actividade frequentemente ignorada e raramente concretizada. Também aqui a vida não é fácil. Desde encontros e desencontros, química e física, compatibilidades e incompatibilidades, tudo nos acontece enquanto tentamos ser felizes seja a fazer o que gostamos ou encontrar alguém que nos complete.

Por vezes aparentemente injusta a vida faz-nos tropeçar, cair, faz-nos feridas e marca-nos com cicatrizes. Mas existem sempre pontos de felicidade ao longo do eixo do tempo neste gráfico discreto. E estes pontos fazem a diferença e dão-nos alegria e vontade de continuar a viver, mesmo quando o ponto já vai ficando para trás, que o tempo não perdoa.

Tudo nos acontece enquanto tentamos viver, aproveitar os dias, desfrutar as boas companhias, concretizar projectos e realizar os que nos faz sentir plenos. Não perder tempo com ninharias, mesquinhez e fantasmas é uma capacidade difícil de adquirir, necessita de disciplina e alguma violência psicológica para com nós próprios, mas é terrivelmente compensadora.

Por vezes tudo parece tão difícil. No entanto, olhamos à volta e encontramos sempre alguém que faz mais com menos ou que consegue ser feliz com uma fracção do que nós temos. Uma nova esperança se reacende.
É uma questão de perspectiva.

Como o outro disse “Cada coisa é o que é”. A vida que nós levamos é como é, vários aspectos podem ser ajustados, outros nem por isso.

Para mim também “(…) é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra, E quanto isso me basta."


E basta. Porque viver é lidar com todas estas coisas boas e más.


E basta. Porque eu gosto é de viver!

mag disse...

heey =)
a natureza deu nos um potencial inestimavel de nos expandirmos. deu nos resiliencia. temos, em bons momentos, consciencia disso. e quase nunca abusamos dele, prudentemente.

as vezes penso que temos um certo medo de respirar fundo e abusar um bocadinho.

*m

Sophia Pena disse...

Bem, está na hora de eu meter a minha "colherada"!
Antes de mais, obrigada por qualquer um dos comentários. Fico contente de saber que vos fiz reflectir e agradeço que venham enriquecer os meus posts com as vossas perspectivas. Este espírito de partilha é como, já várias vezes, referi, o intuito deste blog. É bom perceber que estimulo em alguém uma reflexão e uma reacção (mesmo que seja só para mostrar um sorriso concordante). Isso justifica plenamente o momento em que resolvi passar das folhas de papel mudas e unipessoais, para o blog.
Relativamente aos comentários em concreto, o que posso dizer é que percebi o que queriam transmitir e concordo.
Não tenham problemas em expandir-se em comentários longos. Foi bom ter a percepção de tudo o que te sugeriu pensar o post, caro amigo. Gostei do pormenor dos fantasmas e estou particularmente de acordo na questão da disciplina.
Mag, tens muita razão no que dizes em relação à nossa capacidade de resiliência. E sim, talvez fosse positivo, "esticarmos a corda" de quando em vez.
Beijinhos e não se esqueçam, com tudo o que foi dito e algo mais, ou, pura e simplesmente, sem mais nada, cada um à sua maneira, do modo que melhor souber, sejam felizes!!!

Francisco M. disse...

Eu não vou ser muito extenso =p Apenas na minha opinião este texto escrito da tua autoria Sofia vê-se que foi o esforço da tua alma vindo do coração.
No fundo vem confrontar-nos com a capacidade por vezes surpreendente daquilo que o ser humano pode fazer mas, nunca exagerando das mesmas.
A vida e curta, por isso não percam tempo com coisas que não vale a pena ou têm pouco valor e para terminar em grande, como o texto diz, o importante mesmo é "ser feliz", não esquecendo que é uma emoção a felicidade logo é efémera - temos de lutar por ela constantemnte para a conseguir.

(vou guardar este lindo texto)

Sophia Pena disse...

Obrigada, migo!
:)